Renato Russo, blues e cinema

Quando eu tinha 16 anos ouvia todas as canções da Legião Urbana. Hoje acho as letras um pouco ‘auto-ajuda’, o qual não gosto muito. Porém, é indiscutível que Renato Russo foi uma figura muito interessante e importante para a música dos anos 80. Uma pena não haver mais bandas de rock nacional com letras interessantes. A última banda que conheço com letras significativas é O Rappa, que surgiu nos anos 90. De lá pra cá somente essas bandas montadas para adolescentes, fracas demais. (Charlie Brow Jr, CPM22, NX Zero e outras mais…). É claro que temos ótimas bandas novas surgindo por aí, mas a referência aqui é o rock-pop nacional.

Eu estava agora mesmo ouvindo as músicas do meu LapTop naquele modo que toca aleatoriamente. E foi então que ouvi um blues com uma voz conhecida. Renato Russo cantando blues? Como assim eu nunca ouvi? Será que tenho tanta música no LapTop ao ponto de não ter ouvido todas ainda? Que distração, Lia!

A música é Boomerang Blues, está no CD Presente e não foge ao estilo melo-dramático do Renato Russo:

Tudo o que você faz
Um dia volta pra você
Tudo o que você faz
Um dia volta pra você
E se você fizer o mal
Com o mal mais tarde você vai ter de viver

Não, eu não gostei dessa letra, mas o som!!!! Ah, o som!!! Contagiante como todo e velho blues deve ser. Pesquisei no You Tube e não encontrei a canção com o Renato Russo, mas tem uma boa na voz do Paulo Ricardo (ele é brega, mas é legal e um gato! Rs):

Bem, já comentei do Renato Russo, da música e agora direi sobre o cinema: vocês sabiam que existe um projeto para o filme Faroeste Caboclo? Sim, sim! A história de João de Santo Cristo. Legal! Se feito por pessoas bacanas será um belo filme. Porém, a idéia do filme existe desde 2006, mas há um processo judicial envolvendo a gravadora e familiares que impede o uso das músicas da Legião Urbana…uma pena.

Modinha

E na moda de ser desiludido, a modinha não é de hoje.

Modinha

Composição: Tom Jobim / Vinícius de Morais

Não, não pode mais meu coração
Viver assim dilacerado
Escravizado a uma ilusão
Que é só desilusão
Não, não seja a vida sempre assim
Como um luar desesperado
A derramar melancolia em mim
Poesia em mim
Vai, triste canção, sai do meu peito
E semeia emoção
Que chora dentro do meu coração

Alanis Morissette, um pouco de mim

Passei toda a minha adolescência ouvindo Alanis Morissette. Eu tinha um cabelão como o dela, me vestia como ela e até hoje tenho uma gaita, como ela.

Eu a achava intensa, criativa, fazia umas letras legais e acima de tudo era roqueira. Porém, depois do CD Supposed Former Infatuation Junkie ela começou a ficar pop demais. E não foi um ‘ficar pop’ com estilo e personalidade, ela foi se apagando, se perdendo… Não entendo o que ela fez com o próprio som. Eu ouvia os CD’s e entrava em total desespero: CADE OS SONS PESADOS DA GUITARRA?

Ela caiu no meu conceito e toda a minha idealização de uma mulher legal e interessante se desfez. Cortei um pouco o cabelo, guardei a gaita numa caixinha de coisas velhas e ponto. Acabou. Cresci, virei uma mulher adulta com vinte e muitos anos.

Ontem estava remexendo minhas coisas e encontrei a gaita. Sorri. Adoro esses pedaços do passado que encontramos no meio do caminho. Eu realmente tinha me esquecido da Alanis Morissette, mas veio tudo a tona: as músicas boas, o estilo, a voz gritante… uma pedaço da minha vida. É tão bom.

Ainda não toquei a gaita, mas ela está sobre a mesa da cozinha. Logo, logo tocarei alguma coisa. Será que me lembro? Vamos ver o quanto os vizinhos irão reclamar!

It’s like rain on your wedding day
It’s a free ride when you’ve already paid
It’s the good advice that you just didn’t take
Who would’ve thought… it figures

Eu lhe disse que era um problema

Lembro que a primeira notícia que vi dela foi sobre uma confusão que ela armou em algum lugar, pensei: “uma nova garota sem talento querendo aparecer”.

Porém, tempos depois, resolvi ouvir o som dela e realmente fiquei impressionada com a qualidade da voz e de todo o conjunto. Virei fã!

Infelizmente ela é uma maluca, alguns acham até engraçado, mas estar na pele dela não deve ser nada fácil. Ela poderia ser uma das maiores entre as maiores, mas acho que ela não vai muito longe nessa vida, uma pena…

O que leva o ser humano a perder tanto o controle?

I cheated myself
Like I knew I would
I told you I was trouble
You know that I’m no good

_________________________________________________________________________

Antes ela era assim:

Agora esta assim:


Emerson Nogueira – o homem que copiava

Alguns meses atrás um amigo meu começou a falar das músicas do Emerson Nogueira, que ele já tinha ido ao show e que o cara era fera.

Eu nunca tinha ouvido falar desse cidadão – o tal Emerson Nogueira.

“Quem é esse cara? Que tipo de música ele toca?

Na mesma hora esse meu amigo colocou um CD das músicas do que ele considera ‘o cara’. Começou a tocar “The Logical Song”.

“Hey, mas isso é Supertramp. O Cara faz cover, é isso?

“Você chama isso de Cover? Olha que coisa linda, Lia!

“Mas ele só está copiando uma música que já existe.”

“Não, Lia, você precisa ouvir melhor.”

“ok”

Ontem cumpri a tarefa de ouvir Emerson Nogueira com mais cuidado. E como minha primeira impressão não costuma falhar, não vi graça nenhuma nesse cara. O som é fraco, a voz dele é fraca e me irrita profundamente ver uma pessoa fazendo sucesso com músicas alheias, isso não é arte! Ele é apenas um mero copiador de músicas boas. E como músicas boas são sempre músicas boas até numa sessão de Videokê ficou fácil demais pra ele.

Lendo alguns artigos sobre ele descobri que muitos concordam comigo, outros o acham fenomenal, fantástico. Não! Não pode ser! Fenomenal e fantástico são as bandas que realmente CRIARAM as músicas que ele canta. Ele não é fantástico!

E, pra completar, o cara caiu nas graças da Sony que bancou todo o projeto do DVD dele. Sorte, meu caro, sorte! Enquanto músicos de verdade – CRIADORES DE ARTE sofrem por um pequeno espaço no cenário musical. (Isto é Brasil!)

Talvez seja culpa da falta de conhecimento musical dos adoradores de Emerson Nogueira. Que, talvez, nunca tenham ouvido os grandes clássicos em suas versões originais.

Nada de cópias, gente! Original é sempre original!

Comparem e me digam que não estou cometendo uma blasfêmia:

Logical Song na versão original – Banda Supertramp:

Logical Song na versão do Emerson Nogueira:

Um amor e um blues

Coloque um blues para ouvir com ele. Deixe o som chegar devagar. Se solte e viva intensamente o seu momento com o blues. Isto passará a ser o seu melhor momento com ele.

Blues + ele + sexo = amor!

Não é mais um tipo de blues.

E isso consiste entre um homem e mulher estarem apaixonados.

Apaixonados, assim como uma das canções que você coloca a sua voz nela.

Faz você fazer coisas que não quer fazer.

Ame algumas vezes ou deixe o sentimento dizer.

Isso é o que é o blues, sabe, é uma coisa louca.

E isso consiste entre um homem e uma mulher.

E isso quer dizer que duas pessoas que

supostamente deveriam estarem apaixonadas quando

e uma delas decide pela outra, pelo amor.

O poder de uma canção

Essas pessoas que não apreciam música devem ser objetos de estudos profundo. Digo música no geral, todos os tipo, sem pré-conceitos. Porque música é para transformar em todos os sentidos: tem aquelas canções que te deixam tristes, outras trazem alegria, outra lembra a infância, outra uma história de amor, outra lembra sacanagens… Enfim, música é música por mais que cada um tenha o seu gosto pessoal. Eu particularmente gosto de rock, blues, jazz, MPB e eletrônica. Mas já fui no Carnaval de Salvador e curti as músicas do Chiclete com Banana, sem medo de ser feliz! E como disse um amigo meu, eu sucumbi à essas canções! rs Mas era o momento, o som, a batida dos batuques realmente contagiam, só quem pôs os pés lá no Circuito do Carnaval Baiano sabe do que estou falando. O negócio é porreta! (como dizem por lá!)

Enfim, resolvi escrever aqui hoje só pra dizer que ontem uma música me tirou da tristeza que eu estava sentindo, de repente, como se um anjo tivesse soprado as primeiras notas ao meu ouvido, cantei “Eu não estou disposto a esquecer seu rosto de vez, e acho que é tão normal. Dizem que sou louca por eu ter um gosto assim, gostar de quem não gosta de mim. Jogue suas mãos para o céu e agradeça se acaso tiver alguém que você gostaria que estivesse sempre com você”

E, acreditem, essa música me deu uma paz, apesar da letrinha triste, me fez um bem danado! Me peguei rindo, recordando as coisas da vida!

Ah, a vida é linda, é bela demais pra ficar deprê!

Pronto, passou! Renovei-me!

Mas meu coração está tão cansadinho que por enquanto só quero saber do meu trabalho, de escrever por aqui, dos meus amigos. E só!

Às vezes é bom dar um tempo pro coração. Eu só admito entrar em outra relação se eu estiver completamente bem. Não quero ficar com ninguém por carência.

E que tudo seja eterno enquanto dure. Até a dor!