A última muralha a cair

(…)“Essa idéia pode permitir a compreensão de outros tipos de variabilidade entre culturas. Muitos antropólogos simpáticos ao construcionismo social afirmaram que emoções que para nós são familiares, como a raiva, inexistem em algumas culturas. (um punhado de antropólogos assevera que existem culturas sem emoção nenhuma). Por exemplo, Catherine Lutz escreveu que os ifaluk (um povo micronésio) não sentem a nossa “raiva”, e no lugar dela vivenciam uma experiência que denominam song. Song é um estado de irritação desencadeado por uma infração moral, como a violação de um tabu ou uma demonstração de arrogância. Ele autoriza a pessoa a evitar, olhar feio, ameaçar ou falar mal do infrator, mas não atacá-lo fisicamente. O causador do song vivencia outra emoção pretensamente desconhecida pelos ocidentais: metagu, um estado de temor que o impele a apaziguar o acometido pelo song com pedidos de desculpas, pagamento de multa ou oferta de um presente.” Pág. 64 – Tabula Rasa – a negação contemporânea da natureza humana – Steven Pinker

Anúncios

Um comentário sobre “A última muralha a cair

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s